7 de agosto de 2014

A ilha de Melquisedech de Vera Vilhena



Olá!!
Hoje venho partilhar com vocês o meu recente achado. Como já leram no título, chama-se A ilha de Melquisedech e é de uma autora portuguesa. Não conhecia e se não o tivesse encontrado num site de passatempos de livros (não me lembro do nome), acho que nunca me lembraria de o procurar. E sobretudo pelo facto de não ler muitas obras de autores portugueses. Sim, podem achar que é uma vergonha. Mas, como vejo muitos vídeos de youtubers a falarem de livros ingleses, sinto-me mais tentada a lê-los. Acho que a divulgação dos autores nacionais está um pouco em baixo...


Bem, voltando ao assunto. Eu consegui este livro e apesar de ter ficado um pouco intimidada só de pensar em lê-lo, foi o nome que saiu na minha jarra de livros. Sinceramente, estou muito contente por ter sido este o livro que me calhou. Ainda só vou na pág 178 mas estou a gostar muito. É um livro que abarca a fantasia, que é nada mais nada menos que o meu género preferido. 


Pormenor do Livro
Sinopse: «Nesta narrativa fantasiada, com um pé na realidade, o leitor irá conhecer Mnemon, o rapaz que não dorme; Oto, o gigante ciclope; Rigoletto, o Repórter; Organtina, a ninfa do lago; Eloque, o Orador; Ratatosk, o corcunda; Furfuris, o duende doméstico…e muitos outros seres tornados extraordinários, no dia em que Melquisedech os subtraiu ao Outro Mundo, para lá do Mare Ignotum, e os levou para a Ilha de Sono, onde ninguém entra e de onde ninguém sai. Encerrados na sua própria idade pela magia deste druida feiticeiro, usam o talismã que os mantém protegidos, numa frágil cúpula, a salvo de angústias e maldições. Habitam um lugar limpo e sedutor e têm a profissão no nome. Ninguém nasce, ninguém morre. As mulheres usam a lã de ouro dos rebanhos para esfregar tachos e escudelas. Cristalina, a Árvore do Esquecimento, é o freixo que amadurece cristais multicolores, a moeda de troca que as cuique suums entregam em cada casa. Conseguirá Melquisedech manter este mundo perfeito, onde todos parecem viver felizes?» 
Chiado Editora

Aconselho vivamente!!

Digam lá se não fica bem na minha estante.

8 comentários:

  1. Infelizmente tens razão, os livros portugueses são cada vez mais desvalorizados

    ResponderEliminar
  2. Parece interessante e é um livro que não conhecia. Acho excelente ires divulgado os livros porque muitas vezes acabo por conhecer livros e autores que antes não conhecia.

    ResponderEliminar
  3. Olá Bea :-)

    Por mero acaso dou com este seu post. Tem toda a razão, nem sempre os autores portugueses são acarinhados como merecem. Sensibilizaram-me as suas palavras. Espero que este meu livro (o primeiro de uma trilogia) continue a fazer-lhe boa companhia. E se gostar, a autora agradece a divulgação!

    Um beijinho para si e votos de muitas e boas leituras. Bem haja.

    Vera de Vilhena

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou a gostar muito.
      Obrigada e muitos beijinhos!!!
      :D

      Eliminar

Elimino comentários ofensivos.